Quinta-feira, 8 de Julho de 2004

Fragmento 3 - A Descoberta

Sentimentos, o que são?
Meros pensamentos, mas mais fortes que o normal, mais intensos, pensamentos que despertam desejos, ciúmes, insegurança, medo, alegria, paixão, sentimentos contraditórios. Quando tudo devia ser simples, eu complico, quando devia ser alegre, eu entristeço-me, o meu passado persegue-me, acho que por vezes tenho medo de amar, fecho-me. Tranco o meu coração, escondo-o do mundo, para não sofrer, para não magoar, para não recalcar mais as minha mágoas, para não reabrir feridas profundas e dolorosas, que tanto me custaram a fechar.
Tenho medo, medo de mim mesmo, medo de errar outra vez, ou pior ainda, medo que errem comigo outra vez, medo de não querer ver a realidade, medo de querer viver um sonho que não existe.
Estou assustado, apavorado, este amor cresce tanto dentro de mim, não consigo pensar em mais nada, ocupa-me todo o meu ser, todo o meu querer, todo o meu coração, tudo isso é dela. Sem o mínimo esforço ela tomou posse de mim, da minha alma, do meu corpo e eu deixei, não consigo ver defeitos nela, apesar de nem namorarmos, mas sinto como se fosse, morro de ciúmes quando não está comigo, mas não posso monopolizar todo o seu tempo, não tenho esse direito. Mas tenho medo de perder para alguém, a única coisa boa que tenho na vida, a única mulher que me tira do sério, que me leva para um sonho, do qual me custa despertar, mas afinal de contas, despertar porquê? O sonho é real, sinto-a real junto de mim, o seu cheiro, o seu gosto, os seus lábios nos meus, o calor do seu corpo nas minhas mãos, na minha boca, na minha alma. Razão da minha angústia, razão da minha alegria, fonte do meu amor.
Sentimentos contraditórios, não contraditórios, talvez só despropositados, sem sentido, razões sem razão que me levam à loucura, ao pesar do meu coração. A minha própria loucura é amiga e inimiga, trazendo-me o que deve e o que não deve, trouxe-me o amor mais bonito que alguma vez senti e ao mesmo tempo a insegurança. Talvez por esse mesmo motivo, sei que se as coisas mudarem, nunca vou encontrar alguém como ela, e apesar de tão novinha, deu-me aquilo que nenhuma outra me deu até hoje, vontade de amar, mais e mais, vontade de me entregar de corpo e alma, vontade de sentir o calor do seu amor. Vontade de a ter comigo para sempre, e este para sempre, tem uma conotação tão permanente, como nunca tive vontade que tivesse, é um para sempre definitivo e se não for ao lado dela que vou envelhecer, não será nunca com mais ninguém. Encontrei quem eu procurava, agora só me resta amá-la e fazê-la feliz, enquanto ela me quiser, desejando só, que o seu amor dure tanto como o meu.


publicado por Angel-of-Death às 20:42
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Não me odeies...

. Sinto a Alma gelar...

. Voltar atrás...

. Ao menos...

. So me dizes hoje...

. Talvez mentiras...

. Finalmente

. Negro no fim

. Nameless...

. Afinal, ainda não comecei...

.arquivos

. Outubro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Junho 2009

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Abril 2007

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds