Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

thefallenangel

thefallenangel

29.03.05

Fragmento 26 – Viagem


Angel-of-Death

P2082293-2.JPG

Dias, correm, mais lentos que normalmente, mais frios, sem sabor, sem amor, levando-me para o inevitável, a derradeira viagem. Mas quando? Nunca sei, nunca chega, ou então não se revela, nunca se mostra.
Como tudo o que é incerto, a incerteza instala-se dentro de mim, a nostalgia, o querer sentir e o sentir falta de algo, o porquê.
Quando tudo parece dar certo, correr bem, desmorona-se como um castelo de cartas, que alguem empurra, como uma pedra de dominó. Caíu, sucumbiu e levou-me com ele, como uma onda que nos arrasta, para um túmulo de água, sem hipoteses de fugir, uma luta impossível de vencer, remando contra a maré.
E depois o silêncio instala-se, sempre, mexendo, misturando as minhas ideias, os meus sentidos, o meu sentir.
Como correu. Mal, porquê? Não o sei, ou prefiro enganar-me e culpar alguém, como se isso fosse resolver tudo, acendo outro cigarro, tiro uma golfada de fumo, que deixo encher-me os pulmões, procurando a calma. Mas qual calma? Procurando fugir à dor, a este sentimento de impotência, não conseguindo sequer pensar, só sentir, mas sentindo de forma diferente, sem sentido, sem rumo, sem palavras, procurando arrancar do peito o coração, que chora, mesmo quando no meu rosto não há lágrimas, porque um homem não chora, ou pelo menos assim o dizem, mais completa mentira, eu choro, quando a angustia assim o exige, não quando a desilusão me atormenta.
Sim, talvez seja isso, sinto-me triste comigo, talvez também com ela, não sei, talvez, talvez nada, talvez tudo, medo, sensação de perda, um outro cigarro, como se me fosse resolver alguma coisa, mudar o meu sentimento.

By: Angel-of-Death
In: "O espelho e eu"

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.